Select Page

A ministra da Administração Interna afirmou hoje que foram evacuadas três aldeias devido ao incêndio que deflagra desde sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, elogiando o trabalho dos bombeiros num “combate sem tréguas” ao fogo.

De acordo com Constança Urbano de Sousa, o incêndio lavra com “quatro frentes ativas”, duas das quais já estavam dominadas, mas reacenderam, devido às “condições meteorológicas muito adversas”.

Em declarações aos jornalistas, a ministra da Administração Interna indicou que foram evacuadas três aldeias. Fonte dos bombeiros precisou que as três aldeias evacuadas são Graça e Derreada Cimeira, no concelho de Pedrógão Grande, e Alge, em Figueiró dos Vinhos.

Número oficial de mortos baixa para 61, mas deverá ser superior

O primeiro-ministro, António Costa, corrigiu hoje o último balanço oficial de vítimas de 62 para 61, uma vez que um dos registos tinha sido duplicado.

“Muito provavelmente o número de vítimas será superior, mas neste momento o número confirmado não são 62 mas 61 — um dos registos tinha sido duplicado –, mas não vale a pena alegrarmo-nos com isso porque iremos, certamente, encontrar mais vitimas no terreno”, afirmou António Costa, em declarações aos jornalistas no local.

Mais de 1.600 bombeiros em combate

Mais de 1.600 operacionais, apoiados por cerca de 500 viaturas e 18 meios aéreos, combatiam, pelas 16:50 (horas no Luxemburgo), os cinco principais incêndios que lavravam em Portugal continental, nos distritos de Leiria, Castelo Branco e Coimbra.

De acordo com a informação divulgada na página da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), na internet, o fogo que deflagra desde sábado, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e que provocou 61 mortos, era o que mobilizava mais meios, sendo combatido por 766 operacionais, 237 veículos e seis meios aéreos.

Ainda em Leiria, na freguesia de Maçãs de Dona Maria, concelho de Alvaiázere, um incêndio mobilizava no terreno 106 elementos de organizações de socorro, 30 veículos e um meio aéreo.

No distrito de Coimbra, o incêndio mais forte era em Álvares, concelho de Góis, que estava a ser combatido por 375 operacionais, apoiados por 113 veículos e seis meios aéreos.

No mesmo distrito, na freguesia de Espinhal, concelho de Penela, eram 174 os operacionais que combatiam as chamas, acompanhados por 53 veículos e dois meios aéreos.

Na freguesia de Orvalhos, concelho de Oleiros, distrito de Castelo Branco, eram 182 bombeiros, com 56 viaturas e três meios aéreos que tentavam controlar o fogo que deflagrou no sábado à tarde.

Em fase de resolução continuava o fogo em Ferreira do Zêzere, distrito de Santarém, que deflagrou no sábado, às 20:09, numa zona de floresta.

Apesar de estar em resolução, denominação que a proteção civil atribui a incêndios que já não apresentam perigo de propagação além do perímetro já atingido, este continua a mobilizar 181 bombeiros e 47 viaturas.

No total de Portugal continental, pelas 16:15, a Proteção Civil dava conta da existência de 51 fogos, 14 em curso, 32 em conclusão e cinco em resolução.

No total, estes fogos mobilizavam 2.605 operacionais, 764 viaturas e 26 meios aéreos.

Redação Latina/Lusa

 

Relacionados

X