Select Page

Ensino complementar e ensino paralelo não são a mesma coisa. Quem o diz é o porta-voz da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL), poucos dias depois de ter sido revelada a solução para compensar o fim do ensino integrado de português em Esch-sur-Alzette.

Escutado pela Rádio Latina, José Coimbra de Matos frisou que as aulas complementares serão enquandradas no sistema de ensino luxemburguês.

Coimbra de Matos considera que a solução encontrada é a mais viável, apesar de não ser a ideal, e acusa as autoridades luxemburguesas de chantagem, durante as negociações entre os dois países.

O porta-voz da CCPL apelou aos pais para que se certifiquem de que a autarquia vai assumir as suas responsabilidades. Assegurar o transporte dos alunos entre a escola e as chamadas ‘Maisons Relais’ é uma delas.

José Coimbra de Matos, porta-voz da CCPL, em declarações à Rádio Latina. O Embaixador de Portugal no Luxemburgo, Carlos Pereira Marques, confirmou na semana passada à Rádio Latina que o ensino da língua de Camões nas escolas da segunda maior cidade do país vai ser feito em regime complementar, a partir do próximo ano letivo.

Redação Latina

 

Relacionados

X