Select Page

O Plano Nacional de Integração (PAN) foi debatido esta quinta-feira no parlamento. Este plano é um instrumento previsto na lei, para promover o acolhimento e integração dos estrangeiros no Luxemburgo.

O último PAN expirou há três anos. Uma situação que não altera o trabalho efetuado pela Associação de Apoio aos Trabalhadores Imigrantes (ASTI), mas que demonstra, segundo o porta-voz da ASTI Sérgio Ferreira, que o atual Governo não dá a devida atenção à integração.

A ASTI apresenta algumas pistas de reflexão e propostas em matéria de acolhimento, nomeadamente no que diz respeito à habitação dos recém-chegados.

Em matéria de integração, a associação considera que as comunas deveriam estar mais implicadas no dispositivo do Contrato de Acolhimento e Integração (CAI) e que também deveria haver mais apoio nas atividades de prática das línguas.

Quanto à participação política, a ASTI sublinha novamente que há um défice democrático, uma vez que quase metade da população não vota nas legislativas.

Uma vez que o referendo não deu esse direito aos estrangeiros, Sérgio Ferreira, diz que é preciso ser criativo e encontrar outras soluções.

Estas são algumas propostas da ASTI que segundo a associação favorecem a integração.

Redação Latina

Relacionados

X