Select Page

O FC Porto tem pela frente uma missão pouco menos do que impossível no sentido de marcar presenças nos quartos de final da Liga dos Campeões em futebol, ao apresentar-se no Juventus Stadium com dois golos de desvantagem.

Se com dois golos de avanço a tarefa não seria fácil, a perder por dois, o conjunto ‘azul e branco’ está perante um desafio muito complicado, bastando referenciar que, na sua longa história europeia, de mais de 60 anos, nunca virou mais do que um golo de desvantagem.

A expulsão ‘infantil’ do lateral esquerdo brasileiro Alex Telles, que se ‘expulsou’ com faltas ‘proibidas’ aos 25 e 27 minutos, tombaram claramente a eliminatória para o lado da ‘Juve’, que aproveitou para quase sentenciar no Dragão.

O croata Pjaca e o brasileiro Dani Alves, dois suplentes lançados por Massimiliano Allegri, selaram o 0-2 dos pentacampeões italianos em título, perante um FC Porto que, reduzido a 10, raramente conseguiu sequer atacar.

Na ‘fortaleza’ do seu Juventus Stadium, a formação de Turim só precisa, agora, de repetir qualquer um dos últimos 100 resultados em casa, no qual só constam dois desaires e ambos por um golo de diferença.

O histórico entre os dois conjuntos, sem triunfos portistas, também é um dado que favorece a ‘velha senhora’, a ‘carrasca’ da primeira final europeia dos ‘azuis e brancos’ (2-1 em Basileia, em 1983/84, na Taça das Taças).

A juntar ao passado, a ‘Juve’ apresenta atualmente um conjunto muito poderoso, uma equipa que controla muito bem os jogos, com risco mínimo, muitas vezes zero, atacando quase sempre pela certa, após longas e certeiras trocas de bola.

Com vantagem, e sem nada ter de arriscar, a formação de Allegri torna-se ainda mais difícil de bater, pelo que, para sonhar em passar, o FC Porto precisa que tudo lhe saia bem, de preferência de uma ‘haraquíri’ como o que beneficiou no ‘play-off’ de acesso à ‘Champions’, face à Roma.

Em agosto, os comandados de Nuno Espírito Santo também se deslocaram a Itália em desvantagem (1-1), numa eliminatória que valia o acesso à fase de grupos, mas conseguiram virá-la, graças a um triunfo por 3-0 que agora também servia.

O central Filipe adiantou cedo os portistas e, depois, Daniele De Rossi, aos 39 minutos, e o brasileiro Emerson, aos 50, viram vermelhos diretos, e estenderam a ‘passadeira’ da fase de grupos aos portistas, que marcaram mais dois golos, pelos mexicanos Layún e Corona.

Agora, volvido quase meio ano, o FC Porto enfrenta um desafio ainda maior, sendo que, ultrapassá-lo, seria, indiscutivelmente, um dos maiores feitos da sua história europeia, pela recuperação e dimensão do adversário.

Na ‘antecâmara’ do embate, os dois conjuntos ganharam, a Juventus ‘in-extremis’, na receção ao Milan (2-1), graças a um penálti de Dybala na última jogada, no que foi o seu 31.º triunfo caseiro consecutivo para a ‘Serie A’.

Por seu lado, o FC Porto goleou por 4-0 na receção ao Arouca, com mais dois tentos do brasileiro Soares, que desde que chegou aos ‘dragões’, em janeiro, só não marcou à ‘Juve’, somando nove golos, em sete encontros.

O encontro entre Juventus e FC Porto, da segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões, realiza-se na terça-feira, pelas 20:45 locais (mesma hora no Luxemburgo), no Juventus Stadium, em Turim.

Relacionados

X